Quatro dicas para os músculos crescerem na academia

Postado em 10/08/2016

Quatro dicas para os músculos crescerem na academia

Você abdica de algumas horas de sono todos os dias para frequentar a academia, faz musculação com afinco e procura não comer alimentos que poderiam minar sua dieta. Mas seus músculos ainda não estão do tamanho que você quer. Pode ser que você esteja cometendo alguns deslizes – inclusive o esforço exagerado – que estão impedindo que você atinja seu objetivo.

Eduardo dos Santos, professor de educação física e coordenador da academia BodyTech de Santana, em São Paulo, explica que treino adequado, regularidade e alimentação representam os fatores principais para o crescimento muscular. Para o professor, aqueles que querem aumentar a massa muscular precisam se preocupar com a relação do peso com o número de repetições. A sobrecarga é que vai proporcionar o crescimento.

Confira algumas dicas do personal trainer norte-americano Michael Matthews, autor do livro Malhar, secar, definir – a ciência da musculação (Editora Princípio):

 

1. Os músculos crescem apenas se forem forçados a crescer.

Quando a pessoa levanta pesos, as fibras dos músculos são microlaceradas. O organismo entende o que aconteceu como uma agressão e vai tentar recuperar a fibra lacerada e, com isso, adapta o músculo para que ele consiga aguentar mais força – causando a hipertrofia, ou seja, o crescimento muscular. Agora, se o exercício que foi feito só provocou um pouco de microlacerações nas fibras, o organismo não terá do quê se recuperar e os músculos não vão crescer. O contrário também acontece: se o exercício é muito intenso e provoca muitas microlacerações, o corpo não conseguirá recuperar toda essas lesões, paralisando o crescimento muscular. A melhor combinação, portanto, é o equilíbrio de pesos

2. Os músculos crescem se sobrecarregados, não por fadiga ou inchaço

Sentir os músculos queimando não significa que eles estejam crescendo. Essa queimação é sinal de que o ácido lático está sendo derramado nos músculos, avisando o corpo para produzir hormônios anabólicos, que ajudam no crescimento. No entanto, o excesso dessa queimação prejudica o crescimento muscular – e faz até com que os tecidos se desmanchem.

Aquela sensação de que os músculos estão inchados, logo após um treino, acontece porque há sangue retido nos músculos. Ela não determina o quanto os músculos estão crescendo.

A sobrecarga, no entanto, é a chave para o crescimento muscular. Isso significa que séries curtas e intensas com pesos grandes são a melhor forma de fazer o músculo “acordar”, microlacerar na medida certa e, consequentemente, crescer.

3. É preciso repouso para os músculos crescerem

Muitos pensam que, desde que de forma correta, o ideal é exercitar-se todos os dias. Errado. Os músculos precisam de repouso para se reconstruírem. Se você exagerar na dose de exercícios – e na frequência deles – as microlacerações serão excessivas e você terá o nível de cortisol elevado, prejudicando o crescimento muscular.

Treinar sem o músculo estar recuperado causa perda de força e de tamanho. Dependendo da intensidade do treino, os músculos levam de 2 a 5 dias para se recuperar. Apenas quando a sensação de músculo dolorido vai embora é que ele está recuperado.

O sono também influencia: é preciso dormir o suficiente para acordar descansado. Para algumas pessoas, bastam 6 horas. Para outras, o número de horas pode chegar a 12.

O personal trainer da academia BodyTech explica que é fundamental que o aluno esteja descansado para ter um poder de concentração maior. “A noite regenera as células musculares e os tecidos. Para hipertrofiar, é preciso treinar, pegar peso, ter essa sobrecarga. Se a fibra muscular não estiver 100% recuperada e descansada, ela não terá esse poder de contração, consequentemente não terá um desgaste muscular”, explica.

4. Nenhum músculo cresce se o corpo não estiver bem alimentado

Segundo Michael Matthews, a boa nutrição representa de 70% a 80% da aparência da pessoa, seja ela magra, musculosa, em forma ou flácida. Ela pode fazer os exercícios com a sobrecarga correta e dormir bem, mas se não se alimentar bem, não há crescimento. É necessário, portanto, dosar a quantidade proteínas, carboidratos e gorduras para potencializar os resultados.

 

 

 

Outras Notícias

 

O Pilates na reabilitação pós-Covid
Postado em 05/03/2021

Chegamos a março e, depois de um ano, a SARS Covid-19 chega com uma segunda onda mais forte que a primeira. Sigamos firmes nos cuidados!

Mas, além disso, temos que lidar com as sequelas deixadas pela primeira onda. Sim, existe uma síndrome pós-Covid!
leia mais »

Pilates na prevenção e reabilitação de LER/DORT
Postado em 05/03/2021

Em 28 de fevereiro, celebra-se o Dia Internacional de Combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados do Trabalho (DORT).

As LER/DORT são danos causados por movimentos excessivos, irregulares e intensos ...
leia mais »

Os benefícios do Pilates pós-cirurgia bariátrica
Postado em 22/01/2021

A cirurgia bariátrica é uma intervenção cirúrgica feita no aparelho digestivo com o objetivo de reduzir o peso dos pacientes. Existem alguns tipos de cirurgias atualmente onde diferentes áreas são retiradas ou reduzidas.

Os pacientes subm...
leia mais »